Ensinando e fazendo Missões

Buscar esboços

Nossos Esboços

Betel Adultos – 3º Trimestre de 2018 – 30-09-2018 – Lição 14: Israel e a Escatologia Bíblica

25/09/2018

Esse post é assinado por Cláudio Roberto de Souza

TEXTO ÁUREO

1 Tessalonicenses 4:16
16 Porque o mesmo Senhor descerá do céu com alarido, e com voz de arcanjo, e com a trombeta de Deus; e os que morreram em Cristo ressuscitarão primeiro; (ARC)

TEXTO DE REFERÊNCIA

Daniel 9:24-25
24 Setenta semanas estão determinadas sobre o teu povo e sobre a tua santa cidade, para extinguir a transgressão, e dar fim aos pecados, e expiar a iniquidade, e trazer a justiça eterna, e selar a visão e a profecia, e ungir o Santo dos santos.
25 Sabe e entende: desde a saída da ordem para restaurar e para edificar Jerusalém, até ao Messias, o Príncipe, sete semanas e sessenta e duas semanas; as ruas e as tranqueiras se reedificarão, mas em tempos angustiosos. (ARC)

Mateus 24:36
36 Porém daquele Dia e hora ninguém sabe, nem os anjos dos céus, nem o Filho, mas unicamente meu Pai. (ARC)

OBJETIVOS DA LIÇÃO

  • Enfatizar que o arrebatamento da igreja é uma realidade;
  • Explicar que os eventos com a nação de Israel são um dos sinais da proximidade do arrebatamento;
  • Mostrar que Israel reconhecerá Jesus como Messias.

INTRODUÇÃO

Paz seja convosco!

Com muita alegria chegamos ao final de mais um trimestre, onde temos renovado o nosso conhecimento acerca da nação que o Senhor escolheu como o Seu povo; se apresentou aos patriarcas, os engradeceu, fez promessas, libertou, introduziu a Sua Palavra entre eles, cumpriu promessas, estabeleceu um reino, puniu o seu povo, enviou o Messias prometido aos judeus e por fim cumprirá as promessas finais reservadas a esta especial nação, distinta dentre todas as que existem na terra (Dt 10.15).

A história da humanidade caminha para o desfecho final. A teologia que examina e estuda este final é denominada de Escatologia; palavra de origem grega – “escathos” que significa “último”, e “logos” que é “Estudo”, “Tratado” ou ainda “conhecimento”, logo, Escatologia é o tratado ou a doutrina que estuda os últimos acontecimentos ou as últimas coisas.

Mesmo tendo Israel rejeitado o Messias, e desta forma os gentios terem tomado parte no plano redentor do Senhor; Deus não os rejeitou (Rm 11) e ainda há promessas feitas a esta nação que estão por se cumprir.

Por fim, como muitos gostam de enfatizar, Israel tornou-se para a igreja que aguarda o arrebatamento, uma espécie de relógio profético, cujas horas avançam para conclusão de tudo e o fechamento final!

1 – O ARREBATAMENTO DA IGREJA

Segundo H. Ray Dunning, o termo Arrebatamento se refere ao ensino de Paulo sobre o que acontecerá com os santos vivos na segunda vinda de Cristo. Em 1ª Tessalonicenses 4.14-17 explica que além da ressurreição dos justos mortos, “nós, os que ficarmos vivos, seremos arrebatados juntamente com eles, entre nuvens, para o encontro do Senhor nos ares.”

Vale ressaltar aqui, que a visão escatológica que iremos apresentar nesta lição é aquela exposta pela Escatologia Pentecostal, muitas vezes presente na confissão de fé das Assembleias de Deus. Ela possui um ponto de vista escatológico:

Dispensacionalista – Crê que a história da humanidade está dividida em sete dispensações;

Pré-Tribulacionista – Crê que a igreja será arrebatada antes da grande tribulação.

Esta visão escatológica acredita que o N.T. ensina que o crente será removido da terra por Cristo antes do derramamento da ira de Deus, que precedera a segunda vinda de Cristo para reinar sobre a terra (1Ts 4.14-17; 5.9; 1Co 15.51-53).

As expressões “o Dia de Cristo” (Fp 1.10: 2.16); “o Dia de Jesus Cristo” (Fp 1.6); “o Dia do Senhor Jesus” (1Co 5.5: 2Co 1.14); “o Dia de nosso Senhor Jesus Cristo” (1Co 1.8), denotam o tempo da “parousia” (presença ou vinda de Cristo com os Seus santos, subsequente ao arrebatamento – 1Ts 4.16.17). Em 2Pe 1.19. esse Dia e mencionado simplesmente como “o Dia”.

O tema acerca das últimas coisas na Bíblia é recorrente.

O evangelista Leonardo Novaes, comentarista do site EBD Comentada afirma em seu texto sobre a volta de Jesus que há cerca de trezentas referências sobre a primeira vinda de Cristo na Escritura e oito vezes mais sobre a segunda vinda, ou seja, há mais de 2.400 referências sobre a segunda vinda em toda a Bíblia. Não se trata de mera repetição, mas de uma proclamação insistente e contínua de que Jesus breve virá!

1.1 – Definindo o termo

O pastor Claudionor de Andrade nos explica que devemos considerar o arrebatamento da igreja em dois sentidos: etimológico e bíblico-teológico. Tanto no Antigo quanto no Novo Testamento encontramos várias passagens sobre essa doutrina.

1 – Sentido Etimológico: A palavra arrebatamento no contexto da escatologia bíblica significa tirar com rapidez e de forma inesperada.

Quando o Novo Testamento foi traduzido para o latim, optou-se pelo vocabulário “raptus” que se originando do verbo “raptare” comporta os seguintes significados: “tirar, arrancar, tomar das mãos alguma coisa de forma violenta”.

2 – Definição bíblico-teológico: O arrebatamento é a retirada imprevista e repentina da Igreja deste mundo pelo poder de Deus, para que, transladada às regiões celestes, esteja para sempre com o Senhor Jesus.

O Novo Testamento dedica duas passagens ao arrebatamento da igreja: 1ª carta aos Coríntios 15 e 1ª carta aos Tessalonicenses 4. Em Coríntios, Paulo descreve o rapto dos santos; em Tessalonicenses mostra como nossos corpos serão glorificados.

A teologia Escatológica Pentecostal, ensina que a segunda vinda de Cristo, ocorrerá em duas fases distintas: A primeira fase será secreta e invisível ao mundo e é chamada de Arrebatamento ou translação, enquanto a segunda será pública e vista por todos – Revelação ou simplesmente de segunda vinda (Mt 24.20; Mc 13.26).

Sobre as duas fases da segunda vinda de Cristo, o doutor J. Dwight Pentecost afirma que devemos observar várias contraposições entre o arrebatamento e a revelação de Cristo nas nuvens (segunda vinda). Elas mostrarão que os dois acontecimentos não são vistos como sinônimos nas Escrituras. A existência de dois planos separados é mais bem percebida pelas muitas contraposições encontradas nas Escrituras entre os dois acontecimentos, vejamos:

1 – O arrebatamento compreende a retirada dos crentes, enquanto o segundo advento requer o aparecimento e a manifestação do Filho;

2 – No arrebatamento os santos são levados nos ares, enquanto na segunda vinda, Cristo volta à terra;

3 – No arrebatamento Cristo vem buscar Sua noiva, enquanto na segunda vinda Ele retorna com a noiva;

4 – O arrebatamento resulta na retirada da igreja e na instauração da tribulação, enquanto na segunda vinda resulta no estabelecimento do reino milenar;

5 – O arrebatamento é iminente, enquanto a segunda vinda é precedida por uma multidão de sinais;

6 – O arrebatamento traz uma mensagem de conforto, enquanto a segunda vinda é acompanhada por uma mensagem de julgamento;

7 – O arrebatamento está relacionado ao plano para a igreja, enquanto a segunda vinda está relacionada ao plano para Israel e para o mundo;

8 – O arrebatamento é um mistério, enquanto a segunda vinda é prevista em ambos os testamentos;

9 – No arrebatamento os crentes são julgados, enquanto na segunda vinda os gentios e Israel são julgados;

10 – O arrebatamento deixa a criação intacta, enquanto a segunda vinda implica uma mudança na criação;

11 – No arrebatamento os gentios não são afetados, enquanto na segunda vinda são julgados;

12 – No arrebatamento as alianças de Israel não são cumpridas, enquanto na segunda vinda todas as alianças são cumpridas;

13 – O arrebatamento não tem relação particular com o plano de Deus para o mal, enquanto na segunda vinda o mal é julgado;

14 – É dito que o arrebatamento ocorrerá antes do dia da ira, enquanto a segunda vinda se segue a ele;

15 – O arrebatamento é apenas para os crentes, enquanto a segunda vinda tem efeito sobre todos os homens;

16 – A expectativa da igreja em relação ao arrebatamento é “perto está o Senhor” (Fp 4.5), enquanto a expectativa de Israel em relação à segunda vinda é “o reino está próximo” (Mt 24.14).

17 – A expectativa da igreja no arrebatamento é ser levada à presença do Senhor, enquanto a expectativa de Israel na segunda vinda é ser levado ao reino.

Essas e outras contraposições que poderiam ser apresentadas apoiam a alegação de que se trata de dois planos diferentes que não podem ser unificados num só.

O saudoso pastor Severino Pedro da Silva esclarece ainda que encontramos em o Novo Testamento cinco termos técnicos na língua grega que descrevem a manifestação de Cristo em suas duas fases futuras: Arrebatamento e Parousia e cada uma delas exemplificadas com passagens bíblicas:

a) Optomai (aparecer). “Assim também Cristo, oferecendo-se uma vez para tirar os pecados de muitos,

aparecerá segunda vez, sem pecado, aos que o esperam para salvação” (Hb 9.28).

b) Ercomai (vir). “E, se eu for, e vos preparar lugar, virei outra vez, e vos levarei para mim mesmo, para que onde eu estiver estejais vós também” (Jo 14.3).

c) Epphanos ou epiphaneia (aparição). “Que guardes este mandamento sem mácula e repreensão, até a aparição de nosso Senhor Jesus Cristo” (1 Tm 6.14).

d) Apokalypsis (revelação, desvendamento). “De maneira que nenhum dom vos falta, esperando a manifestação de nosso Senhor Jesus Cristo” (1 Co 1.7).

e) Parousia (presença ou vinda). “E então será revela- do o iníquo, a quem o Senhor desfará pelo assopro da sua boca, e aniquilará pelo esplendor da sua vinda” (2 Ts 2.8).

Desta forma, o arrebatamento envolverá a igreja e a revelação envolverá Israel e quem estiver na terra.

O apóstolo Paulo afirma que a sua volta será em um momento único, ligeiro, rápido demais, comparado ao abrir e fechar de olhos.

1 Coríntios 15:52
52 num momento, num abrir e fechar de olhos, ante a última trombeta; porque a trombeta soará, e os mortos ressuscitarão incorruptíveis, e nós seremos transformados. (ARC)

Strong explica que a palavra “momento” no texto é no grego a palavra “átomos” e quer dizer: “que não pode ser cortado em dois”, ou “dividido”, “indivisível”. Significando algo maior, isto é, este tempo indivisível será tão veloz que não haverá prazo para que o indivíduo repare os seus caminhos diante do Senhor.

Estejamos, pois, prontos para a partida, tendo os lombos cingidos, sapatos nos pés e cajado na mão!

1.2 – Sinais da volta de Jesus

Por Cláudio Roberto de Souza

Para continuar lendo esse esboço CLIQUE AQUI e escolha um dos nossos planos!

É com muita alegria que nos dirigimos a você informando que a EBD Comentada já está disponibilizando os planos de assinaturas para que você possa continuar a usufruir dos nossos conteúdos com a qualidade já conhecida e garantida.

vantagens

Informamos também que conquistamos uma parceria missionária com os seguintes trabalhos evangelísticos:

  • Equipe Semear – Localizada na cidade Uberaba – MG e que realiza relevante trabalho de evangelismo na própria Uberaba e região;
  • Equipe Exército da Última Hora – Localizada na cidade de Porto Velho – RO – e que também executa o mesmo trabalho tanto na capital de Rondônia como nos arredores.

CLIQUE AQUI para ser nosso parceiro missionário e continuar estudando a lição conosco…

Deus lhe abençoe ricamente!!!

Equipe EBD Comentada


Comentários

Deixe uma Resposta

O seu endereço de email não será publicado


Copyright Março 2017 © EBD Comentada